terça-feira, 3 de maio de 2011

NYC mnham

Quem me conhece sabe que não é de estranhar que comece os meus relatos nova-iorquinos com as experiências gastronómicas.

Estando nós hospedados em casa de uma anfitriã espectaculosa, não experimentámos tantos restaurantes como se estivéssemos num hotel. Mesmo assim, experimentámos alguns. O primeiro restaurante de que aqui falo entra na categoria memorável pela comida, pelo espaço e, óbvio, pela companhia. O segundo é memorável por várias razões, sendo que a comida, surpreendentemente, é uma delas.

Passemos então ao primeiro: Mishima, na Lexington Av. entre as ruas 30 e 31. Apesar do site fraquinho, a comida é cinco estrelas. Os rolos são de comer e deliciar-se e as porções têm o tamanho certo. Daí, não ser de "comer e chorar por mais", porque realmente não ficamos com fome. O espaço é bonito, arejado mas bem aquecido (factor muito importante na semana que lá passámos), a localização é óptima, perto do metro (e perto de casa). A misoshiro (sopa) tinha caldo, verdura e tofu nas proporções e temperos certos. As gyozas, de massinha fina e deliciosa, deixaram saudades. O age dashi tofu também estava delicioso, apesar de gostar de um tofu um pouco mais consistente. E os rolinhos, eu seja santa, nem dá para falar muito neles sem me crescer água na boca. Vejam vocês mesmos:

Sushi at Mishima, NYC

A segunda experiência gastronómica foi no Katz´s, na Houston St. Apesar da comida ser deliciosa, o lugar entrou directamente para a parede da glória da cultura popular com esta cena protagonizada por Meg Ryan. Diz que também lá estava o Billy Crystal, mas enfim: prioridades são prioridades.

Chegámos lá através da minha amiga flickeriana, com quem tínhamos combinado almoçar e que sugeriu uma experiência de diner americano. Se não tivesse ido com ele, o mais provável era não ter entrado. E isso seria uma grande pena.

Katz´s in NYC

Katz´s in NYC

Katz´s in NYC

Há todo um esquema com filas para as sanduíches, filas para as bebidas e batatas fritas, filas para as panquecas de batata, senhas e luta por lugar sentado. Mas todo o esforço é amplamente recompensado quando finalmente começamos a comer. Pedimos duas sanduíches de pastrami, dois pepinos picklados a níveis diferentes, batatas fritas e panquecas de batata (latkes) para dividir entre os três. Foi uma refeição, em todos os sentidos, memorável, já que as porções são fartas e a comida é deliciosa. Não é uma opção para todos os dias (ai o fígado!); mas é uma experiência nova-iorquina a não perder.

3 comentários:

Anónimo disse...

Afinal é uma amiga ou um amigo do flicker? (picuinhice de prof.)
Bjs
M

Billy disse...

É uma amiga. Porquê?

MAR disse...

E experimentaram os stands de comida de rua? quadno estive em NYC o ano passado, havia umstand ao pé do MoMa que fazia um quebab de comer e chorar por mais... e se não se chegasse cedinho, ficava-se pelo menos uma hora na fila...:-)