segunda-feira, 1 de junho de 2009

Ano do Bicentenário









No dia 25 de Maio celebra-se na Argentina o início da Independência. Tudo começou na semana anterior a este dia, nos idos de 1810. Correndo o risco de deixar aqui algum disparate histórico, vou tentar contar resumidamente a história da independência desta já não tão jovem república.

Ora nessa semana, os crioulos (como chamavam aos filhos de imigrantes nascidos cá), fartos de tanto manda e desmanda da coroa espanhola, começaram a manifestar-se abertamente contra a autoridade, considerada longínqua. No dia 25 de Maio a situação culminou e chegou-se à decisão de fazer um Cabildo (como uma Assembleia Municipal) cuja assistência não fosse exclusivamente de espanhóis, mas sim onde se admitissem também crioulos. E este foi um passo muito importante.

A independência só se consuma a 9 de Julho de alguns anos mais tarde (1816), na sequência do Congresso de Tucumán, onde se fez a Declaração de Independência à coroa espanhola.

(Nota aparentemente marginal: Sobre este episódio encontrei este link, que fala inclusivamente de uns tais de "planos portugueses de invasão". Lendo o texto, até me parece que eram mais os planos das Províncias Unidas do Rio de la Plata de se unirem à coroa portuguesa, mas não é de destas politiquices que reza o "Entre...".)

Voltando às celebrações do 25 de Maio, este ano começou, portanto, o ano em que se começa a comemorar o Bicentenário. Assim, no dia 24 à noite foi feito um mega-concerto na Avenida 9 de Julio, com palco no Obelisco e muitos milhares de pessoas avenida abaixo, com muitos e variados artistas argentinos que cantaram igualmente muitos e variados hinos às personalidades da independência. Nós temos o hino nacional; eles têm o nacional e mais uma mão-cheia deles, a Sarmiento, a Cabral e a muitos outros heróis da independência (sim, Ana, ri-te!). Cada artista imprimiu o seu toque pessoal e, com a ajuda de legendas, também nós pudemos acompanhar os hinos e perceber a quem se destinava cada um deles. (Para os curiosos, aqui fica um link para todos os hinos que são cantados nas escolas.)

À meia-noite, todos os artistas subiram ao palco para cantar o hino nacional, como manda a lei. E "como manda a lei" não é força de expressão, é mesmo literal: à meia-noite toca mesmo o hino nas estações de rádio...

1 comentário:

mariana.santos.ramos disse...

É fantástico testemunhares essa comemoração histórica! Parabéns!
Quando tiver tempo vou ao link ler o que sugeres. Agora, não, dado o adiantado da hora e o facto de ter aulas às oito.
Beijinhos
Mãe