segunda-feira, 4 de maio de 2009

Desmentindo...

5. Percorremos a Tasmânia de lés a lés em duas rodas e tivemos encontros do décimo quarto grau com wallabies e com os famosos Tassie devils.

Falso. Percorremos a Tasmânia de lés a lés, sim senhora, e tivemos encontros do décimo quarto grau com wallabies, mas tudo se passou sobre quatro rodas (e não "duas para cada um", como sugeriu uma leitora demasiado informada - leia-se Mãe) e não vimos Tassie Devils a não ser no jardim zoológico.







A Tasmânia é fabulosa, não sei se já contei? É um estado-ilha, pequenino à escala australiana, e por isso pudemos percorrê-lo de lés a lés em poucos dias. As paisagens são fabulosas: desde montanhas e planícies que fazem lembrar o Alentejo, até à costa, com escarpas e também com muitas praias lindas. Os parques naturais têm trilhos bem sinalizados e dão acesso a miradouros de onde se vêem baías escondidas, às quais só se acede por barco ou caminhando. Bicheno, terrinha onde passámos uma das noites, tem um trilho pelas rochas à beira-mar, o Bicheno Foreshore. Com o terrível jetlag, acordei antes do sol e vi como a luz ia inundando a baía e enchendo a paisagem de cores. À medida que fomos fazendo o trilho, fomo-nos desfazendo de casacos e camisolas e apanhando o sol de outono, ainda morno apesar da latitude austral. Este foi um dos passeios mais bonitos de toda a viagem.



Passeio (memorável) na Foreshore de Bicheno: com o déficit de mar que tenho, era um bocadinho mais de calor e metia-me dentro de água!





Freycinet Park


As cidades talvez não sejam as mais vibrantes e excitantes da Austrália, mas a grande surpresa, para mim, foi Launceston. Enquanto que Hobart é a capital do estado e tem rio e mar, a segunda cidade está no interior do estado. Por isso, à partida, talvez pudesse ser menos interessante, pelo menos para mim... mas não. Launceston foi uma descoberta que adorei fazer, com os seus restaurantes animados, a sua arquitectura victoriana bem preservada e o maravilhoso Gorge Cataract Reserve, um parque urbano com piscina pública, rio, bastantes trilhos e muitos pavões que por ali deambulavam. E tudo isto a poucos minutos da cidade!

Launceston, a grande surpresa do interior da Tasmânia

O restaurante "Fresh", onde comemos uma das melhores refeições de toda a viagem!

Aqui fizemos um trilho onde, a páginas tantas, estávamos totalmente rodeados de natureza, sem qualquer contacto com outras pessoas. Quando havia movimento, eram cangurus e wallabies que nos vinham espreitar com curiosidade e depois seguiam animadamente as suas vidas. O passeio leva a uma central hidroeléctrica um par de quilómetros a montante do início do percurso, central essa que foi transformada em centro de interpretação onde explicam como ali se produzia a energia eléctrica. Não havia vigilantes, mas nem mesmo assim o material estava vandalizado ou deteriorado de alguma forma. Havia paredes destinadas a graffitis - que estavam pintadas - o demais estava devidamente cuidado e arranjado. Enfim, toda uma experiência para estes visitantes...





Gorge Cataract Reserve com os seus pavões

Na costa setentrional da ilha encontra-se uma formação geológica chamada "The Nut". Não se sabe bem o que é, portanto a explicação actualmente vigente é que a sua função seria a de válvula de escape da actividade vulcânica da zona. A verdade é que é um planalto, assim do nada, no final de uma península que entra mar adentro. Apesar de ter acesso por umas cadeirinhas do género das que se encontram nas estâncias de ski, nós subimos pelo trilho, a pé. Foi provavelmente uma das subidas mais íngremes de toda a minha vida, em que apoiar as mãos no chão não me obrigada a inclinar-me muito. Incrível, não é? Lá em cima, um paraíso para as muitas aves mgiratórias que vêm passar o verão austral ali, aproveitam para se reproduzir e depois partem em direcção ao norte. Quando visitámos, eram visíveis as muitas tocas que haviam feito e já abandonado na sua demanda por terras mais amenas.

The Nut

E depois da calma da ilha, fomos para Melbourne.

3 comentários:

mariana.santos.ramos disse...

Obrigada pelo detalhe, incluindo o fotográfico.
Quando eu falei de duas rodas para cada um, queria dizer um veículo de quatro rodas e não dois de duas.
Fica-se com vontade de ir até à Tasmânia, mas acho que agora a oportunidade já passou...
Beijinhos
Mãe

Billy disse...

Sabes lá se não te surge outra oportunidade? Mas agora orienta-te aqui para a Argentina, ok? :)

Bau disse...

Se a visita à Argentina incluir passagem por Londres... pode ser! Que bonito relato!!!